Construção

Sistema de Construção

As madeiras que utilizamos garantem conforto térmico, acústico, durabilidade e proteção para os nossos lares. A forma como construímos baseia-se nas tradicionais técnicas de carpintaria, pelo quais as edificações têm de ser fortes e altamente seguras.

As madeiras utilizadas são nobres, e sempre na sua forma maciça. O sistema de encaixes, sem utilização de grampos ou pregos, garante a vedação total, além de segurança e robustez estruturais, também garantidas pela espessura das pranchas de madeira maciça com que compõe as paredes: 4,5 cm, ou então a utilização de parede dupla, que foi desenvolvida essencialmente para os países do norte da Europa, num total de 10 cm.

A concepção geométrica dos nossos componentes foi estudada de forma a garantir a qualidade, a durabilidade e o melhor desempenho ao longo de toda a vida da casa. A utilização de encaixes tipo macho/fêmea foi alterada de forma a se obter uma parede que é cerca de 50% mais sólida do que algumas construções similares. A maior profundidade dos encaixes, embora requeira uma maior quantidade de madeira, faz com que as junções, além de mais resistentes, sejam mais estanques, eliminando desta forma o aparecimento de frestas, empenos ou torções que possam comprometer a casa.

O sistema de construção de paredes maciças empregando madeiras nobres do Brasil tem as seguintes vantagens sobre a construção tradicional:

  • Rapidez da construção.
  • Custos controlados.
  • Utilização de madeira nobre, proporcionando conforto e beleza natural.
  • Resistência sísmica.
  • Baixo custo de climatização.
  • Baixo custo de manutenção exterior.
  • Mais vida útil da construção.

O conforto e a qualidade de vida proporcionada por uma casa de madeira resultam dos vários benefícios que este tipo de estrutura apresenta:

  • A madeira é um isolante natural.
  • A madeira estabiliza e regula o grau de umidade no interior da casa.
  • A madeira maciça das paredes é o melhor isolante acústico, criando um ambiente tranqüilo.
  • A casa de madeira requer poucos produtos químicos, tais como pinturas, solventes, derivados de petróleo e tratamentos impermeabilizantes. Deste modo, apresenta uma menor propensão para causar alergias aos seus habitantes.
  • Durante o inverno, devido ao seu natural isolamento térmico, uma casa de madeira necessita de menos tempo para atingir a temperatura interior de conforto do que a tradicional casa de alvenaria.
  • No verão a ventilação transversal e equilibrada impede o seu superaquecimento.

Características da madeira

A madeira exótica maciça que dá corpo à estrutura da casa reveste-se de qualidades extraordinárias para a construção de habitações:

  • É tão pesada e densa que não flutua nem pode ser cortada com uma serra comum.
  • Não alimenta a combustão em caso de incêndio, nem as elevadas temperaturas abalam a estrutura da casa.
  • Não é atacada por insetos nem fungos.
  • Por ser um isolante natural da umidade, a madeira respira, absorvendo ou devolvendo umidade ao interior da casa, sem infiltrações nem paredes úmidas.
  • A sua elevada resistência proporciona construções com uma esperança de vida superior a 300 anos.
  • As suas qualidades mecânicas dão uma resistência impressionante a casa. Em caso de sismo são mesmo mais seguras que as casas comuns de alvenaria.

Nossas casas caracterizam-se por uma estrutura sólida e resistente, possuindo componentes dimensionados para ir ao encontro e resistir a cargas bem mais altas do que as normalmente exigidas pelas normas ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), entidade brasileira responsável pelos padrões de segurança das construções.

Com uma manutenção simples, de três em três anos (ou de cinco em cinco), a casa poderá durar mais de 300 anos.

A madeira

Há séculos, o homem tem usado a madeira como um dos principais materiais para construção. O motivo, dentre outros, é que a madeira tem propriedades e características importantes como: facilidade de manuseio e processamento, elevada resistência mecânica em relação ao peso próprio, bom isolamento térmico e elétrico e bom desempenho em ambientes agressivos.

A madeira, por ser uma matéria prima oriunda da natureza, é o único material empregado na construção civil que não agride e nem polui o meio ambiente. Se a exploração for de forma responsável e sustentável, a fonte de recursos será inesgotável.

Nossa matéria prima vem das florestas naturais da Amazônia, a maior região produtora de madeira de todos os tipos. A extração da madeira é de forma sustentada, ou seja, com o manejo do ecossistema de forma contínua e racional, através do corte seletivo de árvores adultas, sem destruir a fauna e a flora remanescentes, sem comprometer o equilíbrio ecológico, perenizando a mata.

Utilizamos madeiras denominadas duras ou pesadas, cujas espécies mais conhecidas no Brasil, são: maçaranduba, ipê, cumaru, jatobá, angelim e grápia.

A maioria dos componentes dos nossos kits é fabricada do cerne de espécies como a Maçaranduba e o Angelim.

Madeira

Durabilidade e isolamento térmico

Essas madeiras apresentam como características principais: grande durabilidade natural em contato com o solo e alta resistência aos ataques de fungos apodrecedores e insetos xilófagos. Sua utilização é recomendada para aplicações externas como pontes, dormentes, em construção civil como vigas, pilares, caibros, assoalhos, paredes, escadas, na construção naval em embarcações e ancoradouros.

Em relação à condutibilidade térmica das madeiras em geral, o coeficiente de condutibilidade térmica adotado é 0,03 Kcal/m.h°C, cerca de 1300 vezes menor que o do aço, 10 vezes menor do que o do cimento e 40 vezes menos que o tijolo de barro. A rapidez com que a madeira absorve calor ou frio de seu redor é muito menor que a de outros materiais. Isso a torna um excelente isolante térmico natural.

Economia

O kit tem um peso próprio considerado leve em relação às construções convencionais (carga permanente de 260Kg/m2, considerando o peso do kit mais o peso da cobertura das telhas cerâmicas), visto que as paredes se comportam como elementos auto-portantes, ou seja, elas se sustentam e servem de apoio ao telhado. Nesse sistema construtivo não existem pilares (exceto nas varandas) descarregando cargas concentradas em determinados pontos da estrutura, pontos esses que deveriam ser reforçados na base para transmitir ao solo o peso da estrutura. Por essa razão, podemos utilizar fundações mais simples que as tradicionais para casa de alvenaria, desde que tenhamos terrenos de boa resistência. Para executar as fundações, utilizar a planta sugestiva fornecida, respeitando rigorosamente as medidas entre eixos de paredes e varandas, com como as cotas de nível.

O kit tem um peso próprio considerado leve em relação às construções convencionais (carga permanente de 260Kg/m2, considerando o peso do kit mais o peso da cobertura das telhas cerâmicas), visto que as paredes se comportam como elementos auto-portantes, ou seja, elas se sustentam e servem de apoio ao telhado. Nesse sistema construtivo não existem pilares (exceto nas varandas) descarregando cargas concentradas em determinados pontos da estrutura, pontos esses que deveriam ser reforçados na base para transmitir ao solo o peso da estrutura. Por essa razão, podemos utilizar fundações mais simples que as tradicionais para casa de alvenaria, desde que tenhamos terrenos de boa resistência. Para executar as fundações, utilizar a planta sugestiva fornecida, respeitando rigorosamente as medidas entre eixos de paredes e varandas, com como as cotas de nível.

Encomenda do kit

Nosso cliente tem algumas opções na aquisição de um kit Tropical:
a) O kit padrão, dentre os diversos modelos apresentados no nosso site e/ou catálogo
b) O Kit modificado, adequando o kit padrão apresentado às necessidades regionais e preferências pessoais, dentro do que o sistema tecnicamente permite
c) Kit Especial, onde o projeto fornecido pelo cliente é adaptado ao sistema construtivo.

Uma vez feita à encomenda, o cliente receberá um jogo de plantas sugestivas para execução da fundação e planta de dados para apresentação junto às autoridades locais para permissão de construção. Além disso, fornecemos uma lista com a quantificação dos materiais necessários para término da obra.

Recebimento do kit

O cliente deverá preparar um local plano e limpo, próximo à fundação, para a descarga das peças do kit. Os componentes de acabamento não podem receber umidade e insolação direta, tais como: portas, janelas, forro, assoalhos e demais materiais de acabamento (1/2 cana, filetes e rodapés). Não substituímos materiais danificados por más condições de armazenagem.

Componentes do kit tropical

1- Pranchas de Parede – São vigas (perfis) auto-encaixáveis longitudinalmente, conforme um sistema macho e fêmea. Possuem seção transversal líquida de 4,50 x 14,20 cm e comprimentos variáveis. Nosso sistema trabalha usualmente com 37 comprimentos diferentes, que são combinados entre si para formar os compartimentos dos Kits. O conjunto de várias pranchas de parede sobrepostas denomina-se Painel de Parede.

Madeira - 1

Painel de Parede – Paredes Internas e Externas

a) Paredes internas e externas em madeira – O sistema de paredes é composto de vigas com seção de 3,5cm ou 4,5 x 14,2 cm, aparelhadas e planadas com encaixe longitudinal tipo macho e fêmea. A junção dos painéis de parede é feita utilizando-se peças de ligação, com seção de 11 x 11 cm (montantes), e altura variável, determinada pela quantidade de vigas que compõe o painel.

Madeira - 2
Madeira - 3
Madeira - 4

b) Revestimento de parede: Para regiões muito frias, oferecemos o revestimento das paredes externas do kit, internamente com 2cm cm de espessura. Isso permite que o cliente escolha o melhor isolamento térmico (lã de rocha, isopor, …) que lhe atenda e o instale no intervalo entre a parede maciça e o revestimento de lambri. São previstas guarnições e estruturas especiais de acabamento.

Madeira - 5
Madeira - 6
Madeira - 7
Madeira - 8
Madeira - 9
Madeira - 10
Madeira - 11
Madeira - 12

Montantes

São pilares com uma seção transversal de 11 x 11 cm ou 13 x 13cm, para projetos especiais. Eles têm função de ligar um ou mais painéis de parede. As Pranchas de Parede se encaixam verticalmente nos montantes. Para tanto, eles possuem canais verticais, com 4,6 cm de largura.

Montantes - 01
Montantes - 02
Montantes - 03
Montantes - 04
Montantes - 05
Montantes - 06
Montantes - 07
Montantes - 08
Montantes - 09
Montantes - 10
Montantes - 11
Montantes - 12
Montantes - 13
Montantes - 14
Montantes - 15
Montantes - 16

Frechal

São pranchas de parede com encaixe longitudinal do tipo Fêmea e são colocados como a última peça dos painéis externos de parede, paralelos a cumeeira. O frechal trabalha como uma viga contínua, no sentido do comprimento do kit, atravessando todas os montantes dessa região. A principal função do frechal é apoiar os caibros do telhado.

Frechal - 01
Frechal - 02
Frechal - 03
Frechal - 04
Frechal - 05
Frechal - 06

Recortes

São pranchas de parede colocadas em cima dos batentes de algumas janelas. Elas são recortadas no trecho do encaixe e a profundidade do recorte na prancha é em função do tipo de esquadria e do assentamento estimado que o painel de parede, onde está inserida a esquadria, irá apresentar. A profundidade média de recorte superior, adotada para todas as esquadrias é de 10 cm.

Recortes

Oitões

São peças de parede pré-cortadas segundo a inclinação do telhado (28%). Os oitões integram painéis de paredes que apóiam as vigas da estrutura de cobertura (terças).

Oitões - 01
Oitões - 02

Vigas

São peças principais de sustentação da cobertura, também denominadas de “terças”. Suas seções transversais são dimensionadas conforme o vão a serem vencidos entre os apoios. Geralmente as vigas são encaixadas nos oitões, espigas de sanduíches da varanda ou entre dois painéis de parede, criando condições de apoio para uma outra viga, neste caso denominada de “viga auxiliar”.

Utilizamos 4 tipos de vigas:

Viga Seção Líquida (cm) Vão Máximo (m)
V1 7,3×24,3 5,50 a 6,00
V2 7,3×15,3 4,00 a 4,50
V3 4,5×15,3 4,00
V4 4,5×11,3 3,00
Vigas - 01
Vigas - 02
Vigas - 03
Vigas - 04
Vigas - 05

Sanduíches

São pilares compostos, formados por duas peças maciças, unidas através de uma terceira peça menor (queijo), ligadas por um parafuso passante tipo francês. Eles são componentes de kit, utilizados para apoio da estrutura de cobertura das varandas, tendo, em seu topo, uma espiga para encaixe das vigas.

Sanduíches - 01
Sanduíches - 02
Sanduíches - 03

Batentes de Portas e Janelas

São peças montadas compostas de três partes: duas guarnições e um miolo; no contorno externo dos batentes, é criado um canal, entre as guarnições e o miolo, semelhante ao canal dos montantes, para possibilitar o encaixe entre o conjunto do batente e as pranchas de parede às esquadrias. As pranchas de parede localizadas nas laterais de um batente são denominadas de “bonecas”.

Batentes - 01
Batentes - 02

Esquadrias

a) Janelas – Utilizamos seis tipos de janelas. O sistema de funcionamento é de abrir, com folhas fixas e móveis, auto-encaixáveis através de rebaixos. Os tipos são:

Esquadrias - 01

Janela de Sala : 140 x 179 cm

Esquadrias - 02

Janela de Dormitório : 140 x 140 cm

Esquadrias - 03

Janela de Cozinha : 140 x 96 cm

Esquadrias - 04

Janela de Banheiro : 105 x 52 cm

Esquadrias - 05

Janela-Porta : 26 x 210 cm (*).

Esquadrias - 06

Janela de Lavabo : 71 x 52 cm

(*). A janela-porta é uma esquadria que conjuga uma porta maciça e uma porta de vidro com caixilho lateral.

b) Portas – Na composição do kit, poderá existir quatro tipos de portas, a seguir:

Esquadrias - 07

Porta Maciça ou Externa : 82 x 210 cm

Esquadrias - 08

Porta Maciça Interna: 72 x 210 cm

Esquadrias - 09

Porta Lisa ou Interna : 72 x 210 cm

Esquadrias - 10

Porta Balcão : 2 x 70 x 210 cm

Esquadrias - 11

Porta de Vidro : 82 x 210 cm

c) Venezianas – Estão incluídas no kit venezianas para todas as janelas, cujas dimensões são as mesmas dos caixilhos.

Caibros

Os caibros são peças integrantes da estrutura de cobertura com seção transversal líquida de 4,50 x 7,30 cm. São fixadas sobre as terças e frechais, proporcionando o apoio para as ripas.

Caibros - 01
Caibros - 02

Ripas

Possuem seção transversal de 2,50 x 5,00 cm e são fixadas sobre os caibros. O espaçamento entre as ripas depende da galga da telha (distância entre encaixes) que podem variar de 33 a 44 cm.

Ripas - 01
Ripas - 02

Corrimão

São vigas com seção transversal de 4,50 x 15,00 cm e 4,50 x 7,30 cm, que fixadas aos sanduíches, formam os parapeitos das varandas.

Corrimão

Meia-Tábua

A meia-tábua é a peça que integra a estrutura de cobertura, com seção transversal de 2,00 x 15,00 cm, desquinada em uma das arestas. Têm a função de amarrar todos os painéis de parede externos. Para a proteção das extremidades dos caibros que fazem o contorno dos beirais, será utilizada “meia-tábua dupla” com seção transversal de 2,00 x 21,00 cm.

Meia-Tábua - 01
Meia-Tábua - 02

Forros

São peças de seção 0,9 x 10 cm com encaixe tipo macho e fêmea e comprimento variável. As peças de forros são fixadas nos sarrafos seguindo a inclinação padrão do telhado.

Forros - 01
Forros - 02
Forros - 03

Sarrafos

São peças de seção transversal de 3,00 x 3,00 cm, utilizadas para fixar o forro. São pregadas sob os caibros, paralelamente às ripas, com espaçamento máximo de 40 a 45 cm.

Sarrafos - 01
Sarrafos - 02

Meia-Cana

São perfis em forma de cantoneira com seção transversal de 2,50 x 2,50 cm, utilizados para arrematar o contorno do forro com as peças da estrutura da cobertura (frechal, oitões e terças).

Meia-Cana

Rodapé

São peças com seção transversal aproximadamente de 2,0 x 4,3 cm, que fazem o arremate entre a primeira prancha de parede e o piso. São utilizadas apenas em áreas internas e não úmidas.

Rodapé - 01
Rodapé - 02

Filete-de-Luz

São perfis em forma de “U”, utilizados para recobrimento da fiação elétrica, desde o forro até os pontos de luz e força. Sua seção transversal é de 2,50 x 3,30 cm.

Filete-de-Luz

Filete Especial

São perfis de madeira em forma de “U”, utilizados para acabamento de canos de Instalação Hidráulica, com seção de 4,3 x 5,3 cm.

Filete Especial

Cobertura

a) Estrutura – A trama de sustentação da cobertura terá vigamento utilizando nossas vigas padronizadas: V1, V2, V3 e V4, onde necessário, com inclinação adotada no projeto (28%).

b) Telhado – Prevista a colocação de telhas cerâmicas, com telhas especiais para colocação na cumeeira (por conta do cliente).

Cobertura

Instalações elétrica

O cliente deverá contratar um profissional habilitado.
A fiação elétrica poderá ser passada sob o piso ou entre os caibros do forro (entre as telhas e o forro). A fiação para tomadas e interruptores deverá estar sempre na lateral dos montantes para possibilitar o recobrimento com filetes “U” especiais desenvolvidos para tal.

Instalação hidráulica

O cliente deverá contratar profissional habilitado. Toda tubulação de alimentação ou esgoto deverá ser embutida no piso.. Para tanto, é importante definir a posição das peças sanitárias, torneiras e chuveiros durante a execução da fundação. Os pontos de alimentação para as caixas acopladas dos vasos sanitários e torneiras estarão no piso e serão alimentadas por flexíveis.

Imunização

Como a maioria das madeiras utilizadas na fabricação dos componentes do kit provém do cerne de madeiras duras e de grande resistência não é necessário imunização.
Entretanto, como medida preventiva, recomendamos a aplicação de imunizante, em peças produzidas de madeiras menos duras como forro, esquadrias e filetes de acabamento.

Pintura e/ou evernizamento

Diante da ação constante da radiação solar, água de chuva, altas temperaturas e abrasão de partículas sólidas levadas pelo vento, a superfície da madeira sem proteção torna-se acinzentada, rugosa e fendilhada. Essa degradação, principalmente nas madeiras duras, é superficial e seria necessário, segundo pesquisadores, séculos para que esse fenômeno consumisse 6mm da peça.

Para proteger a madeira desse fenômeno, são utilizados dois tipos básicos de acabamentos: tintas e vernizes, que formam uma película de recobrimento ou Stains, que penetram na superfície sem formar película.
A superfície a ser pintada/ envernizada deve ser limpa e lixada para retirada de toda e qualquer impureza.
O importante é conhecer a recomendação e seguir as instruções de cada fabricante. Geralmente, é necessária uma manutenção externa a cada 2-3 anos. Tintas e vernizes brilhantes, aplicados na parte externa, resistem mais pois promovem mais reflexão da luz solar.